terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Toda Prosa


Em vias de um quase morrer
te imagino professora
das artes do meu prazer.
Possuida e possuidora.

Em momentos de luxúria
eu te desenho doutora
de prazeres e de fúria.
Amante e voraz sedutora.

Em lampejos de frenesi,
eu te quero a mais vassala.
Submissa, leal e aqui.
Feito a que engole e embala.

Em segundos: Toda prosa!
e eu te lapido "a mulher";
Para o meu deleite tu goza.
Feito quem sabe o que quer.

4 comentários:

  1. Preciosa foto de la chica con la boca abierta...

    ResponderExcluir
  2. Humm, essa minha visita foi tão gostosa quanto uma rapidinha matinal. Vc continua me fazendo suspirar com suas palavras

    ResponderExcluir
  3. Toda prosa sigo porque assim temos permitido até aqui...e sabemos o que queremos e como queremos...um encontro...dois corpos...dois prazeres transformando-se em um...

    Beijos suculentos!

    ResponderExcluir
  4. Eita... mas que dehlicia esse poeminha, meu Pajé.... aiii..aiii... deu ate um calorzinho por aqui...rsrs

    Bjsss meladinhos em ti

    ResponderExcluir