quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Abre



Abre a tua mente
para o novo do novo,
para o sumo do sumo;
para sabores ímpares
e desejos díspares.

Abre também teus braços:
Para o abraço do Dono.
Para esquecer do abandono
e chorar só de alegria.

Abre ainda tuas coxas
e recebe com euforia
cada novo presente,
cada pensamento latente

que espreita de mansinho
por um olhar mais safado,
pelo teu beijo molhado,
por um naco de carinho;

Um pensamento arretado,
o tesão, ali estampado.
E o teu ventre,
ah o teu ventre,
Irremediavelmente explorado!


3 comentários:

  1. Amor, esse esta especialmente lindo, amei e cada palavrinha deste poema me arrepiou toda, deliciosamente In_Correta, é como estou me sentindo...bjos safidinhos!

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo... você se supera sempre!

    Um dia chego lá....na qualidade de suas escritas!

    Abs
    (Oficial) DD

    ResponderExcluir
  3. Amigo...

    Fiquei até inspiradinha.

    Bjk@s

    ResponderExcluir